segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Muito Além do Câncer...

 Outras Doenças que Atingem a Próstata

Muito Além do Câncer: Conheça Outras Doenças que Atingem a Próstata

A próstata é uma glândula do tamanho aproximado de uma noz, localizada abaixo da bexiga e ao redor da uretra. Ela faz parte do aparelho reprodutor masculino e sua principal função é produzir o fluído seminal que compõe o sêmen e ajuda a transportar os espermatozóides durante a ejaculação.

Quando pensamos em problemas na próstata, a primeira doença que vem à cabeça é o câncer, grande preocupação do homem de meia idade – afinal, é o câncer masculino mais comum, com cerca de 90% de índice de cura quando descoberto no início. Porém, a próstata pode apresentar outras patologias que, apesar de não serem tão preocupantes, também precisam ser tratadas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), aproximadamente 75% dos homens com 50 anos ou mais apresentam algum tipo de alteração na próstata. Para homens com mais de 80 anos, a porcentagem sobe para 95%. Todas essas doenças têm como principal sintoma a dificuldade para urinar, já que a glândula fica ao redor da uretra e, ao aumentar de tamanho, comprime-a.

Confira quais são as duas patologias prostáticas mais comuns, além do tão falado câncer:

PROSTATITE
A prostatite é a inflamação ou infecção da próstata causada por bactérias e atinge cerca de 10% dos homens. Seus sintomas são dores na região perineal (entre o saco escrotal e o ânus), no abdômen inferior, no pênis ou nos testículos e também dor ao urinar.

Quando aguda, a prostatite causa febre, tremores, fraqueza, dificuldade para urinar e infecção urinária constante, com urina escura e de cheiro forte, muitas vezes com a presença de sangue. O diagóstico se dá por exames de urina e da secreção prostática e o tratamento é feito com antibióticos, anti-inflamatórios, banhos de assento e repouso.

Já a prostite crônica tem sintomas mais leves e a indicação de tratamento é com antibiótico prolongado.

HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA
Mais comum após os 40 anos, quando chega a atingir de 80% a 90% dos homens, a hiperplasia prostática benigna é, como o próprio nome diz, o crescimento benigno da próstata. Com este aumento, a glândula masculina passa a comprimir ou até obstruir a uretra, causando dificuldade para urinar e infecções urinárias frequentes.

Os sintomas mais comuns são jato de urina fraco e com interrupções, sensação de não ter esvaziado a bexiga completamente, gotejamento terminal, necessidade urgente de urinar, sangue na urina, dor ou ardor na micção, entre outros.

O diagnóstico é feito por exame clínico detalhado, apoiado por exames de sangue, urina e muitas vezes ultrassonografia.

O tratamento se dá de três formas, conforme a gravidade da hiperplasia e as condições gerais do paciente: acompanhamento, medicamento e cirurgia. A cirurgia é indicada para aproximadamente 10% dos casos e a mais comum é a Resseção Transuretral da Próstata (RTUP), feita por via uretral. Porém, pacientes com próstata muio volumosa ou cálculos na bexiga muitas vezes precisam realizar a intervenção cirúrgica por meio de uma abertura feita na bexiga. Quanto aos medicamentos, os mais indicados são os inibidores das a5 Redutase, que levam à redução do tamanho da próstata, e os aBloqueadores, que causam o seu relaxamento.

Como os sintomas de todas as doenças de próstata envolvem dificuldades no trato urinário, somente um urologista pode dar o diagnóstico correto para o seu caso. (Fonte: Blog Andrologia)

Remédios que você nunca deve misturar.

Remédios que você nunca deve misturar. Confira!
Combinação errada pode levar a efeitos colaterais sérios

Confira remédios que você nunca deve misturar

Remédio exigem muito cuidado. Uma dose errada pode complicar sua vida!

Todo medicamento tem efeitos colaterais e, por mais que eles tenham sido criados para combater doenças, também podem oferecer riscos para a saúde. “A diferença entre o remédio e o veneno está na circunstância e na dose”, afirma o toxicologista Anthony Wong, coordenador do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas da USP. Por isso, os medicamentos devem ser encarados de uma forma séria.
Santo remédio? Veja medicamentos que parecem "inofensivos", mas que oferecem riscos à saúde

Um levantamento divulgado recentemente indicou que a maioria de intoxicações por medicamentos acontecem com remédios considerados inofensivos pela população como analgésicos, anti-inflamatórios e antigripais. No Brasil a situação não é muito diferente. Segundo levantamento do Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológica (Sinitox), ligado ao Instituto Fio Cruz, os medicamentos são os principais responsáveis por intoxicação humana superando venenos, drogas e agrotóxicos.

A situação piora bastante quando há uma combinação entre diferentes medicamentos. “Muitas vezes o problema vem de uma automedicação. Um amigo ou familiar recebeu uma prescrição de um remédio e repassa para o paciente quando está com sintomas parecidos, apenas querendo ajudar. Porém, não é porque uma medicação funcionou bem para um que terá o mesmo efeito no outro. Isso traz um risco muito grande de complicações”, alerta o ex-presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia Carlos Augusto Mello da Silva, do Centro de Informações Toxicológica do Rio Grande do Sul. Além de outros medicamentos, alguns alimentos, hábitos e doenças também podem alterar o metabolismo de remédios. Por isso, é importante deixar seu médico a par da situação geral de sua saúde e questioná-lo sobre as restrições que envolvam seu tratamento.

Outro problema comum é um paciente que já faz um tratamento com acompanhamento médico esquecer de informar durante a consulta com outro especialista quais são os medicamentos que já estão sendo usados. Para evitar esse problema, Carlos Augusto indica que o paciente sempre leve as receitas para consultas em médicos e visitas ao hospital. “Outra opção, especialmente para as pessoas mais idosas que costumam usar diversos remédios regularmente, é anotar os nomes dos medicamentos, horários e doses em um papel. Dessa forma os riscos de o especialista receitar um produto que terá uma interação prejudicial com outros diminuirá muito”, aconselha ele.

Segundo Anthony, a interação entre medicamentos pode intensificar ou anular o efeito deles, além do risco de gerar algum novo problema. “Cada paciente tem uma reação imunológica diferente. Isso também varia durante a vida. Algo que causava alergia em você durante a infância pode não oferecer riscos na vida adulta, você pode desenvolver uma hipersensibilidade durante a gravidez ou depois de algum vírus que causou mudanças em seu sistema imunológico. Então, o acompanhamento médico é sempre algo indispensável”, justifica ele.

Confira algumas combinações perigosas:

Anticoncepcional + antidepressivo fitoterápico (hipérico ou erva de São Jorge)
A mistura diminui em até 60% o efeito contraceptivo da pílula.

Anti-inflamatórios + ácido acetilsalicílico (aspirina)
A mistura pode causar uma irritação na mucosa gástrica devido a um efeito somatório, aumentando o risco de desenvolvimento de gastrite e úlceras.

Anti-inflamatórios + paracetamol
Os dois remédios juntos podem gerar problemas renais, levando a quadros hepáticos.

Antidepressivos + antigripal (anfetamina)
Essa combinação pode gerar grande aumento da pressão, levando até a delírios.

Anti-inflamatórios + corticoides
Aumenta a retenção de líquidos e sal, causando inchaço, e pode levar ao aumento de pressão. Também pode irritar o estômago, gerando, em alguns casos, sangramentos e formação de úlceras.

Antiácidos + antibióticos
O antiácido pode interferir na absorção do antibiótico, diminuindo sua eficiência.

Anti-hipertensivo + calmantes
Causa sonolência e queda de pressão.

Remédios para disfunção erétil + antidepressivos
Aumenta os riscos de priapismo, quando o pênis fica ereto por mais de seis horas, causando problemas para o órgão.

Anticoncepcional + anti-inflamatórios
Em algumas situações pode causar sangramentos.

Colírios + descongestionantes nasais
Em alguns casos pode gerar aumento de pressão, especialmente em idosos e crianças.

Anti-hipertensivo + diurético
A combinação pode levar a perda de sais minerais, causando desidratação e problemas renais.

Anticoncepcional + antibiótico
Alguns tipos de antibióticos podem causar alterações pontuais no metabolismo do anticoncepcional.

Remédios para emagrecer + antidepressivo
Pode causar taquicardia e aumento da pressão arterial.

Inibidores de apetite + ansiolíticos
A combinação traz possibilidade de o paciente sentir irritabilidade, confusão mental, alterações de batimentos cardíacos e tontura.

Anticoncepcional + hormônios femininos, como estrógeno
Dependendo do tipo de pílula pode haver excesso de estrógeno, aumentando o risco de coagulação sanguínea.

Anticoagulantes + antifúngicos
Há alteração no metabolismo dos medicamentos e pode causar arritmias cardíacas.

Anticoagulante + anti-inflamatório
Aumentam os riscos de hemorragia.

Fonte: Terra

Chegando para informar, esclarecer, ajudar!

Claudio Vianei
Ei, pessoal da terceira idade, ou melhor, idosos de nossa cidade e região!

Meu nome é Claudio Vianei, sou jornalista/radialista e gostaria imensamente de ser seu amigo e saber como você está, como convive com sua família, se tem alguma sugestão, elogio a alguém, reclamação ou queixa de algum órgão do governo. Se tiver, mande para cá e vamos publicar. Ah, aqui não tem censura de nada!
Criei este espaço para que possamos nos comunicar, trocar informações, passar dicas sobre saúde, esporte, festas, passeios, lugares que se pode visitar, rever amigos que não vemos há tempos e tudo o que seja de nosso interesse...


O espaço está aberto a todos os que estão na casa dos cinquentinha pra cima (50, 60, 70 e por aí afora!)


Se você tiver alguma coisa que seja do interesse de todos nós, não deixe de passar a informação...

Vai fazer aniversário? Informe aqui e vamos noticiar...
Esse espaço é nosso...

É seu, amigo,e amiga da Terceira Idade!
Vou aguardar sua comunicação!


***
Para não passar em branco
VAMOS RECORDAR UM POUCO
***
Nossa Homenagem a uma guerreira
Maria Valentim, que conhecemos também como Maria do Odil, é um exemplo de mulher idosa que não deixa por menos... Maria é assídua frequentadora de festas promovidas por idosos ou familiares deles, é alegre, descontraída. Já concorreu ao título de "Garota da Terceira Idade" e, embora fosse a mais bonita, não ganhou o título que, na minha opinião, deveria ser dela!

***
Um presidente nota 10
Abel, o sanfoneiro, foi presidente da ACTI por dois anos e deu conta do recado direitinho. Na sua gestão, quando assumiu a direção da entidade, havia uma dívida (quer dizer: as finanças da ACTI estavam no vermelho). Quando entregou o cargo, deixou em caixa mais de R$ 9 mil reais... As contas da entidade andavam rigorosamente em dia e não havia falcatruas na sua administração.
Abel foi, realmente, um presidente nota 10!
***
Sebastiana topa quaquer parada!
Minha amiga Sebastiana é super! A foto aí mostra nossa amiga vestida de noiva durante casamento caipira em festa da ACTI na Praça Cel. Calhau, em Ipanema. O marcador da quadrilha era eu... e foi uma festa e tanto, como não fizeram outra... e foi na gestão do Abel!
***
Ainda a quadrilha...
Turma animada como essa daí na Terceira Idade, está difícil de encontrar atualmente... Dessa feita, fomos danças em Taparuba na festa de aniversário da cidade. Foi muito legal!
***
Atividade...
Um grupo de membros da ACTI durante uma palestra no salão da Maçonaria da Loja ''Libertas Quae Sera Tamen''...
***
Os dançarinos...
Esse casal não, perde uma festa, um forró ou um baile... e dançam muito!
***

Mulheres da ACTI
***
Pena que acabou, né, Batista!?
***
Cuidando da saúde...
Equipe de profissionais da saúde do município faz aferição de pressão arterial aos idosos que frequentam a entidade ou não...
***

***